Episódio Comentado: Ore Monogatari!! #01



Por se tratar de um primeiro episódio e estar bem longo, este post se encontra cambaleando entre Primeiras Impressões e Episódios Comentados – algo que nunca fiz, por sinal –, mas vamos lá.

Conheci Ore Monogatari!! no tumblr, em um post que continha um resumo sem muitos spoilers da história, avisando que um anime da obra seria lançado na próxima (agora atual) temporada. Interessei-me e fui atrás do mangá, mas não avancei muito porque ler quadrinhos no celular não está na lista de coisas que amo fazer, pois tenho pavor de me tornar dependente de óculos.
Takeo Gouda é um calouro do Ensino Médio com aproximadamente 120kg e 2m de altura. Sua aparência costuma assustar as pessoas, mas ele tem um grande coração e é admirado por aqueles que se dão uma chance de conhecê-lo melhor. Makoto Sunakawa é totalmente o oposto de Takeo: muito bonito, popular com as garotas e extremamente insensível. Ainda assim, os dois são melhores amigos e estão sempre juntos. Certo dia, Takeo salva uma garota, a bela Rinko Yamato, de ser molestada por um pervertido dentro de um trem... Seriam estes os ventos da mudança?

A história começa com a Yamato contando uma fábula a la Shrek sobre um ogro vermelho que desejava se aproximar dos humanos, mas não conseguia em razão de sua aparência. Vendo tal coisa, seu amigo, um ogro azul, sugeriu que ele assustasse os humanos para que o Vermelho os salvasse e, dessa forma, conseguisse a proximidade que tanto almejava. Já dá para saber onde isso vai dar, não é?

A música de abertura é bem animadinha, mas nada “atraente” para alguém que já engoliu quilos e quilos de pop coreano chiclete. Uma voz comum e ritmo genérico não me marcam nem como anisongs... Ah, e tem CG de bolo na abertura, galera. Hahahah.


Depois, vemos nosso gigante se acabando de chorar na cerimônia de despedida do Ensino Fundamental – parecia eu, mas, no meu caso, era pura felicidade – e, obviamente, como todo mundo em escolas de anime, ele tem alguém para quem precisa declarar seus sentimentos antes de se retirar de vez da escola e perder a chance de contatá-la todos os dias.


Uma pena que a garota por quem ele estava apaixonado já estava se declarando para seu melhor amigo naquele exato momento. Takeo presencia o ocorrido e também vê quando Suna a dispensa sem pestanejar, parecendo não dar a mínima para como a garota se sentiria depois.

Depois do choque inicial, Takeo não aparenta estar muito abalado com o ocorrido e logo isso é esclarecido com um mini-flashback que mostra as diversas garotas por quem o rapaz se apaixonou: todas se apaixonaram por Suna, sendo rejeitadas pelo mesmo da forma mais fria possível.

Por falar em Suna, ele é dublado pelo Nobunaga Shimazaki, que deu vida ao Ryou Sakurai de Kuroko no Basket, Haruka Nanase de Free!Shinichi Izumi de Kiseijuu: Sei no Kakuritsu. Ele também fez o carinha de Pupa... Mas ninguém liga para esse anime, então irei prosseguir.

Em seguida, os dois se dirigem para um trem, onde Takeo salva a pequena Yamato, que já estava à beira das lágrimas, de um tarado que estava passando a mão em suas... Partes de trás.


Confesso que fiquei meio “WTF” quando a vi parada diante do abuso, mas lembrei o quanto essa situação pode ser traumática e constrangedora para qualquer um e, mesmo no Brasil, muitas mulheres têm medo de se manifestar quando isso acontece. Imagine uma adolescente em um país ainda mais machista que o nosso? Creio que ela se via impotente ali.

Após ser abordado, a escória da humanidade foi levada até um policial para “se explicar” e devo dizer que assisti esse episódio três vezes e em nenhum momento me senti menos desconfortável com o pervertido alegando que Yamato estava “pedindo ao usar uma saia curta como aquela”... PORÉM, nosso Takeo da Justiça dá um supersoco no cara e temos um mundo melhor.

Infelizmente, o policial estava observando e o grandão foi suspenso. SUHDSUIDHAUI Entediado com as férias forçadas, Takeo conversava com Suna, que foi legal o suficiente para lhe levar as anotações do dia, quando uma visita inesperada é anunciada:



A linda da Yamato surge na porta do quarto de Takeo que, em muito, lembra o meu! Ela havia conseguido o endereço do garoto na estação de trem (hein?) e preparou um cheesecake como forma de agradecimento. Suna entende o recado e tenta se retirar, mas é impedido por Yamato... Tal gesto é mal compreendido por Takeo, que pensa que ela seria a 25ª garota de quem ele gostava que iria se apaixonar pelo amigo.


Já disse que a Yamato é dublada pela Megumi Han? A mesma que deu voz ao Gon Freecss de Hunter x Hunter (2011)Five de Zankyou no Terror e a Jeanne d’Arc de Shingeki no Bahamut? Ainda não, né? Pois é.

Após o lanchinho, Yamato e Suna se retiram, mas ela esquece o celular na casa de Takeo e os dois marcam um encontro para que o objeto volte a sua dona. Como o grandão acredita que ela é apaixonada por Haru, digo, Suna, ele decide levá-lo junto (mas o que!?).


Lá, eles comem macaron, pois, aparentemente, a garota ama agradecer com comida, igual a um treinador de cães. Enquanto isso, Takeo tem mil e umas discussões internas do porque a vida é daquele jeito e como ele não deve se iludir nutrindo sentimentos pela pequenininha.

Outro encontro com o intuito de comer mais bolo (é sério!) é marcado e Takeo decide ajudá-la da melhor forma que puder para que ela se aproxime de Suna e tenha sucesso em sua conquista... Suna só não parece mais desinteressado que o Haru, embora teça um rápido elogio à moça.


Ela vai embora, mas volta correndo, vermelha, pingando de suor e com a pressão acima do normal, por lembrar no meio do caminho que não tinha nenhuma forma de contatar Takeo e pede o email dele. Mais uma vez, ele se precipita e lê o gesto como prova dos sentimentos dela por Suna (esquece o Suna, cara, pelos poderes de Grayscull!).

Na boa.

A música de encerramento lembra rockzinho da Malhação na primeira década do novo milênio e parece ser mais rápida que uma ending comum, mas não sou eu quem vai comparar. Creio que me acostumarei com ela depois de alguns episódios e o mesmo vale para a abertura.
Enfim, é óbvio para todos que ela está desenvolvendo sentimentos por Takeo e até Suna parece perceber isso melhor que ele, mas os pensamentos estão longe de ser incoerentes. A baixa autoestima do Ogro Vermelho o impede de ver as coisas como elas realmente são e é bem mais fácil desistir de tudo no início para não se machucar.
Além disso, não é como se nunca tivesse acontecido: seu coração fora partido diversas vezes seguindo o terrível padrão de ver as garotas por quem se interessava se apaixonando pelo amigo e sequer lhe enxergando, mesmo sendo rejeitadas. Logo, mesmo com os sinais dados por Yamato, ele tem seus motivos para imaginar que ela gosta de outro.
Yamato é bem inocente e não se toca de que o garoto de quem gosta está compreendendo suas atitudes de forma completamente contrária a suas intenções e sentimentos. Ela ainda não teve sua personalidade muito aprofundada, mas é possível ver que ela se anima e se desespera de um jeito muito fofo, não sendo 100% contida e só o fato de não dar a mínima para a aparência de Takeo já me faz amá-la.

A representatividade que o casal carrega é algo a ser notado: Takeo é um protagonista de romance adolescente totalmente atípico e Yamato é a menina linda que não se importa em ser vista com alguém que tem aparência fora dos padrões (quem nunca ouviu "você é bonita demais pra ele", não é mesmo?).
Suna, o Ogro Azul, é o cara que se sacrifica pelo amigo em silêncio e vai além do típico kuudere, indo mais para o lado do adolescente calado que só mostra sua verdadeira face para quem lhe faz sentir confortável e inspira confiança (exatamente como um gato).
Amei o character design e a paleta de cores bem viva, como é típico da MadHouse. Os olhos também são uma característica do estúdio, sendo sempre profundos, bem detalhados e mostrando que não precisa cobrir 75% do rosto para demonstrar emoções, mesmo em um romance.
O anime tem pequenos textos que voam na tela, então, para quem não sabe falar japonês (eu), é mais interessante escolher um fansub que não os deixe passar sem tradução, já que, muitas vezes, eles são a própria piada.

A animação não é a melhor de todas, mas não chega ao nível Pierrot ou Toei Animation. Apenas... Já vi trabalhos melhores vindos dali. No entanto, nem preciso dizer que é melhor que uma cacetada de coisa lançada nos últimos anos e, como não sou tão nitpicker com animação: tá bom, tá lindo, tá perfeito e espero que continue assim ou só melhore.
No mais, creio que vou gostar desse anime e, mesmo que não se torne um favorito, com certeza terei bons momentos assistindo e dando muitas risadas.


Até o próximo post!
Screencaps:
 
Layout feito por Adália Sá | Não retire os créditos