6 maneiras de ser um péssimo ombro amigo

My Dear Award: votem no Nankin Dust!

Nem todo mundo gosta de desabafar.

O problema muitas vezes não está em contar problemas e libertar-se do peso – afinal, quem não quer se sentir aliviado, não é mesmo? –, mas sim em tornar visíveis as fragilidades, revelar segredos, possíveis julgamentos vindo do “confidente”, a reação do mundo diante da nossa verdadeira face, entre várias outras coisas.

Sou uma dessas pessoas. No entanto, quando supero alguns desses medos (ou quando não aguento mais) e decido falar sobre o que me aflige, trazendo às claras minhas fraquezas... Quando finalmente, depois de eras sofrendo calada, resolvo buscar um ombro amigo que me dê consolo:

A PESSOA AGE COMO UM TREMENDO BABACA

É incrível como conheço pessoas que juro que são normais, mas é só procurá-las para fazer a sua parte do contrato de amizade que assinamos em silêncio ao dividirmos o Kit Kat que acabo percebendo que elas têm sérios problemas com a área do cérebro responsável pela EMPATIA, NOÇÃO e BOM SENSO.

Relembrando desses momentos fatídicos, elaborei uma pequena lista com 6 Maneiras de Não Consolar Alguém (ou Como Ser Um Péssimo Ombro Amigo). Por um mundo melhor, vamos conferir~♥

1. “Eu avisei”

Essa frase e todas as suas variações são um grande problema porque: a criatura já fez a besteira que havia sido aconselhada a não fazer, alcançou um BAD ENDING desfecho desagradável... Acho desnecessário fazê-la se sentir ainda pior ao ter que ouvir do amigo que ela foi duplamente idiota.

Deve existir algum prazer mórbido em fazer a pessoa lembrar que você havia dito que ela ia se ferrar. Nas ocasiões que tive o desprazer de ouvir essa frase, percebi que os seres que a proferiam insistiam no assunto até ouvir o famoso “verdade, desculpa, você estava certo”.

Creio que há formas decentes de lembrar seu amiguinho que: 1. SIM, você avisou; 2. SIM, ele foi burro. Basta não usar qualquer tom acusador, arrogante ou ficar se repetindo enquanto deseja inconsciente ouvir que você e seus poderes premonitórios estavam certíssimos.

Quem sabe respirar fundo, controlar o tom (e seu ego) e dizer “lembra que nós havíamos conversado sobre isso?” seja melhor do que irritar alguém querido.

Ou talvez ficar calado. Sério.

2. “Ah, sim... Então, como eu ia dizendo-”

Nada pior que contar um grande problema/estar preocupado com algo e a pessoa trocar de assunto assim que você fechar a boca... I mean... Gente? Soletre a palavra “CONSIDERAÇÃO” para mim, por favor.

Já? Parabéns. Agora, uma tarefa mais difícil: VAMOS PRATICAR!

Se alguém faz isso mais de uma vez, logo entendo que ela não dá a mínima para a minha existência... E ninguém é obrigado a manter amizade com pessoas que claramente não se importam com os amigos.

3. “Na verdade, eu-” “Quando passei por isso, eu-

Nada pior que tentar conversar com o Sr. Narcisista ou a Sra. Egocêntrica. Amiguinhos, um pequeno conselho para você se tornar uma pessoa mais legal e amável: Pare. De. Tentar. Fazer. Tudo. Ser. Sobre. VOCÊ.

Simplesmente detesto quando estou a expor algo pessoal e o “ouvinte” arruína meu momento o transformando em algo sobre si. Você sabe o que aquilo significava para mim? Eu esperei 24 anos para ter meu momento e VOCÊ ACABOU COM ELE!!!

Também existe a clássica: usar suas experiências como base para a vida de outra pessoa. Somos diferentes em praticamente todos os sentidos, então nem tudo que deu certo (ou que deu errado) para você vai dar no mesmo para mim. Obrigada.

4. “Esqueceu que tem crianças passando fome na África?”

Em meu não tão longo tempo vivido, jamais vi tal fato impedir qualquer ser de chorar quando cai da bicicleta e rala o joelho aos cinco anos, logo, todos deveriam saber que: o sofrimento alheio não diminui a dor de ninguém.

É ainda pior quando o “amigo” alega que você não está passando nada comparado ao que ele passou. Confesso que, nesses casos, risco da lista dos miguxinhos¹ porque, além de não conseguir ser empático e não ter consideração pelos sentimentos alheios, fez o momento sobre si e ainda se pôs como a grande vítima do mundo, ou seja: TÁ TUDO ERRADO COM ESSA AMIZADE. CANCELA.

5. “MAS VOCÊ TAMBÉM HEIN!”

Dá vontade de morrer quando vou desabafar e a pessoa briga comigo, porque penso: o que leva qualquer ser humano minimamente decente a crer que isso vai fazer qualquer bem? Sei que existem casos e casos, mas duvido muito que a maior parte deles necessite de um esporro.

Ninguém vai compartilhar aspectos negativos de sua vida porque está se sentindo superbem, então seria interessante se as pessoas que cercam o ser tivessem sensibilidade mínima para avaliar se a situação realmente pede qualquer alteração na entonação geral da conversa.

6. “Para de drama”

Olha, de gente que me ridiculariza eu já estive cercada. Não vou aceitar isso novamente e ainda chamar de “amigo”. O problema do seu parça pode até parecer pequeno aos seus olhos, mas talvez ele esteja no limite e, para completar, você está agindo como um: tremendo babaca.

Don't be that friend.



Sei que é complicado ouvir os problemas de alguém. Muitos não sabem como reagir, se cansam de ouvir (principalmente quando se trata das mesmas reclamações), acreditam que tem a obrigação de aconselhar e acabam falando alguma besteira, piorando a situação, entre muito outros desfechos horríveis na tentativa de ser o ombro amigo, mas...

...Muitas vezes, basta deixar claro que você está lá para ouvir e mostrar que se importa. Não precisa se afobar com as palavras para se fazer útil. Pense se é realmente necessário você dizer qualquer coisa, afinal nem todo mundo que desabafa está querendo conselho, mas, com certeza, está querendo um amigo.

E vocês? Tem alguma forma de ser consolado que lhe irrita ou faz você se sentir pior? E diga a verdade: agem de acordo com algum item da lista? Hora da confissão!

Post escrito por alguém que já esteve rodeada de coleguinhas dispensáveis, mas que, atualmente, tem os melhores amigos do mundo. Obrigada, Deus.

¹ Continuo conversando e ajudando sempre que posso, mas não deposito confiança.
 
Layout feito por Adália Sá | Não retire os créditos