2015 FOI TOP


Não acredita? Continua lendo e você vai perceber que foi sim! Ah, e esse post é todo centralizado, para ficar (quase) tão ridículo quanto essa gíria.

Ain, Saddy, mas falar top nem é feio. É SIM. PARA.

TOP 5 GRATIDÃO
• Less otária (still otária, but less)
• Mais um ano em que percebi ser abençoada com os melhores amigos do mundo
• ME FORMEI
• Parei de roer unhas e as pintei direitinho pela primeira vez

TOP 5 DOR E SOFRIMENTO
Propostas estranhas no estágio
• Briguei feio com minha mãe no dia da sessão de fotos da turma e não fui
• Hulk x Viúva Negra (I mean... SRSLY?)
• Pensei que tinha sido traída e foi uma droga
• Descobri que não havia sido “traída”, mas a pessoa mentiu e foi uma droga

TOP 5 LIDOS E ASSISTIDOS
• Agent Carter
• Elfos #recomendo
• Fragmentados #recomendo
• Hotel Transilvânia 2

TOP 5 COISAS LEGAIS QUE NÃO FIZ
• Aprendi a desenhar
• Consegui responder todos os comentários (porque sumi por cinco semanas)
• Deixei de ser tímida
• Estudei como deveria

TOP 5 COISAS LEGAIS QUE FIZ
• Aceitei que há coisas em mim que não vão mudar #recomendo
• BLOGOTOMIA #recomendo
• ENTREI NA ACADEMIA #recomendo
• Perdoei a última pessoa que me traiu #recomendo
• REEDUCAÇÃO ALIMENTAR #recomendo

TOP 5 FRASES QUE DEFINEM MEU ANO
• ABONDONADA POR VOCÊEEEEEE (zero motivos, apenas cantei muito)
• Todo mundo é capaz de controlar uma dor, exceto quem a sente (William Shakespeare)

Passando muito mal com a cara desse post, olha. ლ(́◉◞౪◟◉‵ლ) On a serious note, Deus me permitiu ter grandes momentos em 2015 e espero que o ano de vocês tenha sido recheado de coisas boas também. (╯◕ヮ◕)╯*:・゚✧ Desejo um 2016 maravilhoso para todos, com esperanças e sonhos renovados, aprendizados sendo colocados em prática, perdas e tristezas sendo deixadas para trás e paz, muita paz (algo que só percebemos que precisamos quando já tá fazendo falta).

Obrigada a quem sempre dá o ar das graças aqui. De verdade. Vocês sabem quem são e fizeram meu ano. E ME DIGAM O QUE FOI #TOP EM 2015 PARA VOCÊS, QUERIDOS!

bring it on
 
Layout feito por Adália Sá | Não retire os créditos